sexta-feira, 29 de junho de 2012

Fajitas crocantes




Estas tirinhas crocantes de frango ficaram deliciosas empanadas com especiarias. A Panko deixa igualzinho aos petiscos dos melhores restaurantes. Você que adora um franguinho, ainda pode fazer molhinho de mostarda e mel. Pode empanar seu frango com creme de leite, sopa de cebola, uma redução de cerveja preta. E que tal um molhinho de cerveja belga? Vamos para esse barzinho agora!

Ingredientes

Raspas de laranja (1 unidade)
Sementes de erva doce (1 colher de chá)
Páprica picante em pó (1 colher de café rasa)
Pimenta chilli em pó (1/4 de colher de café)
Cebola em pó (1 colher de chá cheia)
Sal refinado (Quanto Baste)
Peito de frango (500g)
Ovo integral (2 unidades - 110 gramas)
Farinha Panko para empanar (100 gramas)
Óleo para fritar (1 Litro)
Salsinha pra decorar (Quanto Baste)

Soque as especiarias e as raspas de laranja no pilão. Lave o frango com vinagre, deixe escorrer ou seque-o bem com pano perfex esterilizado apropriado para o contato com alimento. Corte o frango no sentido longitudinal, em tiras não mais do que 2cm. Coloque-o junto das especiarias num saco plástico e tire o ar. Sacuda bem e deixe pegar gosto ao menos por 1 hora. Empane as fajitas nos ovos batidos e depois na farinha Panko. Frite em óleo fervente até dourar. Sirva salpicado com salsinha. Um molho de mostarda com mel fica incrível aqui.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Arroz de cenoura e laranja



Arroz é uma dessas categorias de alimento que a gente sempre tenta seguir à risca para combinar com qualquer coisa. Já descombinando, apostei neste arroz de cenoura, laranja e sementes de coentro. Perfumado, laranja, cítrico, rico em fibras... Outros ingredientes que aqui casam muito bem são o gengibre, a beterraba e um tal de zimbro (já ouviu falar?). Quem não gosta de coentro, vai se surpeender com as sementes. Acredite, eu odeio coentro e adoro essas pequerruchas.

Ao invés de água, aposte num fundo de ave! Você consegue essa façanha cozinhando um frango inteiro ou apenas a carcaça. Saborize com cenoura, salsão, ervas frescas, etc... Sabe, você pode congelar as carcaças e usá-las mais tarde, como, por exemplo, ao fazer torta de frango ou aquela canja deliciosa. Concordo que carcaça de frango é um bicho muito do feio, mas em termos de sabor e imunidade, a boca e o corpo padecem. Vegetarianos, façam um fundo múltiplo com hortaliças, legumes e vegetais, fica de outro mundo!

Com a cenoura, tem uma dica: prefira as velhas. Não, não sua avó! As cenouras velhas, aquelas bem raquíticas e sequinhas. Sabe porquê? As cenouras novas têm muita água, elas são ótimas para saladas e sucos, sopas e refogados, mas péssimas para receitas que levem amido como bolos e arroz. Elas seguram a umidade. Eu ainda quero fazer um arroz que misture cenoura e beterraba, igualzinho ao Borscht. O sabor terroso desses legumes permite sua combinação com os ingredientes mais inusitados: citricos, cogumelos, especiarias e frutas secas. Cada qual numa nova e supreendente explosão de sabor. Crie e recrie! 


Ingredientes

Cenoura pequena (1 unidade - 50 gramas)
Fundo de ave (5 xícaras - 1200ml) - aqueça água com frango, cenoura, salsão e cebola!
Azeite extra virgem (20ml)
Sementes de coentro (1 col. sopa) - se você não tiver, gengibre ralado fica incrível aqui
Alho picado (2 dentes)
Cebola pêra picada (200g)
Arroz agulha (2 xícaras - 420 gramas)
Raspas de laranja (1 unidade) - para um arroz super cítrico, bata 1/8 da laranja com a cenoura
Sal refinado (Quanto Baste)
Salsa ou cebolinha (opcional para decorar)

Bata no liquidificador o fundo de ave com a cenoura crua. Você terá um suco alaranjado e que deixará seu arroz também dessa cor. Eu coei, você pode e deve deixar a fibra aí, intocável. Reserve. Frite as sementes de coentro no azeite até desprender o aroma. Doure o alho levemente e sue a cebola em fogo baixo mexendo sempre. Adicione o arroz e frite-o bem, envolvendo com a gordura. Agora adicione o fundo com a cenoura que você já tinha reservado. Coloque as raspas de laranja. Verifique o sal e deixe cozer até secar. Sirva salpicado com raspas e salsinha. Outra opção é cozer o arroz em suco de laranja com água e, somente no fim da cocção, adicionar a cenoura ralada e abafar. Nesse caso, meus amigos, o arroz fica tão cítrico que eu aconselho uma leve pelotinha de manteiga (10 gramas, para os detalhistas...rs).


sexta-feira, 22 de junho de 2012

Bolo de fubá muito cremoso



Super cremoso, este bolo leva milho e queijo minas frescal. Não como um bolo de fubá cremoso qualquer, com um fiozinho de creme; este aqui fica inteiro cremoso. A base de fubá fica parecendo broa de milho sequinha, esfarelando na boca. O parmesão sobre o bolo o deixa com uma casquinha dourada. Se você não gosta de erva doce, aproveite para fazer uma calda de goiabada! Dá super certo e, mais Brasil, impossível!





Ingredientes

Farinha de trigo (1 xícara - 125 gramas)
Farinho de milho tipo Fubá (1 xícara - 125 gramas)
Açúcar refinado (1/2 xícara - aprox. 80 gramas)
Manteiga integral gelada (160 gramas)
Erva doce macerada no pilão ou em pó (1 colher de sobremesa)
Sal refinado (1 pitada)
Ovo (1 unidade - 55 gramas)

Ovos (4 unidades - 220 gramas)
Leite de coco (1 vidro - 200 ml)
Leite condensado (1 lata e ½ - aprox. 593 gramas)
Milho em lata escorrido (2 latas)
Queijo minas frescal (250 gramas)
Amido de milho tipo Maisena (1 colher de sopa cheia - 8 gramas)


Opcional: Parmesão ralo grosso (50 gramas)

Utensílios: fôrma 30 cm fundo falso + liquidificador + pilão





Modo de fazer

Pré aqueça o forno na temperatura mais alta possível. Misture a farinha de trigo, o fubá, o açúcar, o sal e a erva doce macerada. Pique a manteiga gelada sobre a farinha, apertando bem com os dedos até formar uma farofa. Adicione o ovo batido e misture apenas para umedecer os secos com a gordura, sem deixar homogeneizar. Eu não gelei a massa, pois forrei apenas na base. Se você quer fazer toda a base e borda, um freezer ajuda na hora de usar o rolo. Forre a base com a massa, apertando bem. Leve ao forno, abaixando a temperatura para 180°C. Deixe assar até secar, mas não deixe pegar cor. Assim que secar, retire do forno e deixe esfriar.

No liquidificador, coloque o leite de coco, ajudando com um chorinho de leite integral. Adicione os ovos e o leite condensado. Por sobre eles, coloque o milho das 2 latas escorrido. Bata bem até homogeneizar. Adicione agora o queijo minas junto do amido e bata novamente. Despeje esta massa cremosa sobre a crosta de fubá e salpique com o queijo parmesão. Retorne ao forno por mais 15 a 20 minutos. Não deixe o centro do bolo subir ou ele ficará seco. Deve se mover quando der batidinhas, mas o topo deve estar selado e dourado. Refrigere e ficará entre um bolo e cural!


quarta-feira, 20 de junho de 2012

Sopa de Tomate Espanhola


Não, ela não é gaspacho, rs... Sabe aquela sobrinha de tomate que você costuma jogar fora? Antigamente, não se fazia isso. Sua avó não fazia. Na época das navegações, por exemplo, os tomates rendiam ótimos cozidos e sopas, principalmente os ricos em gordura, já que a acidez do tomate equilibrava-os e muito bem. Ou você achava que queijo e tomate era uma coincidência. Sempre repletos de especiarias, os pratos antigos eram assim feitos para dar vigor e estatura aos cavaleiros e descobridores do Novo Mundo. Por isso, apostei em alho assado e cebola caramelizada, para enrriquecer esta produção, sair do âmbito comum. O que eu não sabia era que o limão e o coentro lhe dariam este perfume, tão medieval e contemporâneo ao mesmo tempo. Raspas de limão, sem dúvida, levam qualquer tomate a um universo que eu antes desconhecia. Deixei você salivando? Pois é, eu nem disse ainda que a dita cuja é fácil de fazer...





Ingredientes

Alho assado (1 cabeça)
Tomate Débora bem maduro (1Kilo e ½ )
Água (Quanto Baste)
Azeite extra virgem (3 colheres de sopa - 30ml)
Cenoura descascada picadinha (1 unidade - 250 gramas)
Sementes de coentro (1 colher de sopa)
Cebola Pêra picada (1 unidade - 200 gramas)
Coxão Duro em cubos grandes (600 gramas)
Fundo de carne (2 litros ou 2 tabletes)
Tomilho (Quanto Baste)
Folha de louro (2 unidades)
Raspas de limão tahiti (2 unidades)
Sal refinado (Quanto Baste)
Pimenta preta em grão moída na hora (Quanto Baste)


Muedo de facer (rs)

Eu começo esta sopa com alho assado. Ele dá uma nota incrível. Se você não quer ter esse trabalho, pule esta parte e frite 2 dentes picadinhos. Para fazer o alho assado, pré aqueça o forno na maior temperatura possível. Quando colocar o alho, abaixe a temperatura para 180°C. Cubra toda a cabeça de alho com papel alumínio, mantendo a pele da cabeça intacta. Após 20 minutos, abra o alumínio para caramelizar. Corte a cabeça de alho ao meio, esprema o alho adocicado e dourado, reserve.

Corte os tomates ao meio e bata-os no liquidificador com bem pouca água. Peneire a polpa e reserve. Sue a cenoura no azeite até caramelizar. Bata-a com um pouco da polpa de tomate e reserve. Este é um espessante, que dará fibras e sabor a nossa sopa. Nessa mesma panela, frite as sementes de coentro até começarem a estalar. Adicione então a cebola e sue até caramelizar em fogo bem baixo. Doure a carne. Adicione o fundo (ou os tabletes), o tomilho e o louro. Após pegar pressão, conte 20 minutos. Abra a panela, adicione o suco de tomate, as raspas de limão e a pimenta. Deixe apurar por 10 minutos. Adicione o macarrãozinho e cozinhe até al dente. Corrija o sal. A finalização é opcional para quem não gosta de macarrão.

Finalização para autêntica sopa espanhola

Azeite extra virgem (3 colheres de sopa - 60ml)
Alho em dente (2 unidades)
Pão francês amanhecido picado(4 unidades - 170 gramas)
Coloral (1 colher de chá rasa)

No caso desta finalização, substitua o macarrão. Para fazê-la, frite os dentes de alho inteiros junto do coloral. Remova os dentes de alho e coloque o pão picado. Frite até o pão dourar. Remova do fogo e processe a sopa de tomate quente com o pão frito. Sirva quente.

Como servir

Azeite extra virgem (Quanto Baste)
Pão italiano fatiado (2 fatias por pessoa)
Alho picado (10 dentes)
Talo de salsão picadinho

Passe o alho no pão e respingue o azeite. Toste no forno pré aquecido a 180°C. Experimente também misturar manteiga em pomada com alho, vinho branco e coloral para uma torradinha ainda mais hype! O salsão é para quem não dispensa uma crocância.



terça-feira, 19 de junho de 2012

Cozinhas de sonho












quarta-feira, 13 de junho de 2012

Lasanha de abóbora e espinafre




Abóbora, espinafre e ricota com pesto de castanha do Pará. Comida de regime? Longe disso! Deliciosa, esta lasanha incorpora a robustez da cozinha italiana sulista à alimentação saudável. Receita com fotos e vídeos. Confira! Vamos saborizar nossa ricota com um pesto de salsinha e castanha. O molho branco, vamos fazer um velouté, mistura de molho branco com caldo de galinha.

Nosso espinafre é salteado na manteiga com cebola e noz moscada. Costumo preparar os molhos e recheios primeiro para usá-los frios na montagem. Uso 1 Litro de leite apenas para regar, 500ml no dia da montagem para deixar a lasanha enxugar. No dia seguinte, você corta a lasanha em quadrados - já definindo a porção - e rega com os outros 500ml de leite. Assim, fica bem cremosa mas não despedaça no corte.

Não se preocupe se sua lasanha passar um pouco da fôrma. Coloque-a num refratário com água quente e asse em banho maria. O provolone é que dá esse dourado no topo. A abóbora, não jogue fora suas sementes. Lave com vinagre e asse em forno a 180° Celsius, revolvendo a forma até tostar levemente. Salpique em saladas ou como tira gosto.




Ingredientes do purê de abóbora

Abóbora tipo americana (1 unidade - 3Kg)
Noz moscada (Quanto Baste)
Sal refinado (Quanto Baste)
Pimenta branca em pó (Quanto baste)

Lave sua abóbora e fatie em 8 partes, deixando a casca. Utilize uma faca e uma colher para remover as sementes. Coloque os pedaços de abóbora na pressão com apenas 1 dedo de água. Assim que pegar pressão, deixe por 15 minutos em fogo baixo. Abra a pressão e veja a maciez da abóbora. Cave as cascas com faca ou colher. Amasse com o garfo e deixe sorar numa peneira. A abóbora perde água e reduz seu volume. Tempere-a fria e reserve num refratário para a montagem.



Ingredientes do espinafre

Alho (2 dentes)
Cebola pêra (1 unidade - 200 gramas)
Azeite extra virgem (1 colher de sopa - 15ml)
Manteiga integral (1 colher sopa - 20 gramas)
Noz moscada (Quanto Baste)
Sal refinado (Quanto Baste)
Pimenta branca em pó (Quanto baste)

Pique a cebola e o alho. Sue o alho no azeite junto da manteiga. Adicione a cebola, abaixe o fogo e deixe dourar, mexendo aos poucos. Acrescente o espinafre e refogue. Quando estiver macio, escorra o excesso de líquido e tempere com o sal, pimenta e a noz moscada. Reserve para a montagem.



video

Ingredientes do molho bechamel velouté (confira o video)

Cebola pêra (1 unidade - 200 gramas)
Manteiga integral (3 colheres de sopa cheias - 75 gramas)
Farinha de trigo (aprox. ½ xícara - 50 gramas)
Leite integral (1 litro e ½ )
Fundo de ave ou tablete (1 xícara - 240ml)
Sal refinado (Quanto Baste)
Pimenta preta em grão moída (Quanto Baste)
Noz moscada (Quanto Baste)
Folha de louro (2 unidades)

Pique a cebola. Doure-a no azeite junto da manteiga, deixando caramelizar. Adicione a farinha de uma vez e mexa para umedecer o trigo. Ficará parecido com areia, é o que chamamos de roux. Vamos fazer um roux amarelo. Para isso, continue mexendo em fogo baixo até que a mistura de farinha e manteiga comece a desprender um odor de nozes e que a cor mude para amarelo escuro.

Adicione o leite frio aos poucos, mexendo nos intervalos para reajuntar a massa. Caso seu molho tenha empelotado, há 3 técnicas: bata com o batedor fora do fogo e volte, bata no liquidificador e volte, ou peneire. Ao fim do leite, adicione o fundo (ou tablete) de galinha. Agora o louro, a pimenta e a noz moscada. Deixe apurar por 10 minutos. Corrija sal e pimenta. Se for montar sua lasanha no dia seguinte, ponha mais 200ml de leite, pois o molho espessa na geladeira de um dia para outro. Papel filme tocando o molho evita que se forme aquela crosta de nata.




Ingredientes da ricota ao pesto de castanha do pará

Castanha do Pará (1 xícara - 140g)
Folhas de salsinha fresca (½ maço)
Alho fresco (3 dentes)
Azeite extra virgem (½ xícara - 120ml)
Sal refinado (Quanto Baste)
Pimenta preta em grão moída na hora (Quanto Baste)
Ricota fresca (600 gramas - 2 pacotinhos de 300g)

Processar a castanha, as folhas de salsinha, o alho, azeite, sal e a pimenta até que se torne uma pasta bem artesanal e nada homogênea. Você quer enxergar aqui a castanha, a salsinha e, de preferência, até o alho. Esmigalhe a ricota entre os dedos e tempere com o pesto. Experimente o sal e reserve para a montagem.


Ingredientes do molho de tomate rápido

Cebola pêra (1 unidade - 200g)
Azeite extra virgem (1 colher de sopa - 15ml)
Extrato de tomate (1 colher de sopa cheia - 5 gramas)
Tomate pêra (8 a 10 unidades - entre 1 e ½ e 2 Kilos)
Molho de tomate (2 saquinhos de 340 gramas)
Fundo de carne (2 litros ou 2 tabletes)
Açúcar refinado (1 colher de chá rasa - 4 gramas)
Sal refinado (Quanto Baste)

Pique a cebola e refogue no azeite em fogo baixo até dourar. Adicione o extrato e refogue em fogo baixo para caramelizar. Enquanto isso, bata os tomates no liquidificador com pouca água apenas para ajudar. Passe por um coador de malha fina com ajuda de uma concha e junte à cebola e o extrato. Acrescente o molho de tomate e o fundo de carne. Deixe apurar em fogo baixo por 15 a 20 minutos. Corrija a acidez com o açúcar (ou 1 col. café rasa de bicarbonato). Corrija o sal e a pimenta. Volte ao fogo por mais 10 minutos e reserve para a montagem.


Montagem

Massa de lasanha ondulada Adria (1 pacote - 500 gramas)
Muçarela fatiada (500 gramas)
Peito de Peru sem capa (500 gramas)
Leite integral (1 Litro)

Pré aqueça seu forno na temperatura mais alta possível (200 a 240° Celsius). Forre sua forma com uma camada fina de molho de tomate. Adicione a primeira camada de massa. Sobre ela, uma camada de molho de tomate e um pouco de molho branco. Respingue leite. Adicione a ricota temperada e sobre ela salpique um pouco do espinafre. Acrescente molho branco sobre a ricota. Respingue leite. Adicione agora a primeira camada de peito de peru. Sobre o peito de peru, vai agora um pouco do purê de abóbora. Sobre o purê, coloque a muçarela. Respingue leite.

Adicione um pouco de molho de tomate e termine as camadas, respingando leite entre elas. Lembre sempre de deixar a ricota junto do espinafre e do molho branco. E o purê de abóbora, junto da muçarela e do molho de tomate. Quando chegar ao fim, adicione uma camada de muçarela e, sobre ela, uma camada de queijo provolone. Cubra com papel alumínio. No dia seguinte, corte a lasanha em quadrados e respingue os outros 500ml de leite. Assim que puser no forno, abaixe a temperatura para 180° Celsius. Para gratinar bem, deixe uma grelha logo acima da lasanha e bem próximo a ela. O metal vai aquecer e gratinar lindamente seu provolone.


segunda-feira, 11 de junho de 2012

Torta de maçã com amêndoas





Massa crocante, amanteigada e integral. Recheio cremoso de maçãs quentinho com amêndoas.  Os americanos são peritos em massa podre. Já os europeus, entendem de recheios cremosos à base de nozes e especiarias. Então, O Canal Cozinha misturou as 2 culturas e ainda fez uma torta integral.

Você, que sempre quis saber tudo para deixar sua massa crocante sem amolecer na base, confira os Segredos da Massa Podre.  Aventureiros fazem o Gâteau Basque, torta de semolina, amêndoas e framboesa. Outra torta que fez muito sucesso foi a Torta de Chocolate com Pêras.






Ingredientes da Massa (dicas valiosas estão em negrito)
Você odeia massa podre? Faça minha Torta Instantânea de Castanha do Pará sem crosta!

Farinha de trigo (1 xícara - 120g)
Farinha integral (½ xícara - 60g)
Sal refinado (1 pitada, para dar sabor)
Açúcar refinado (1/3 xíc - aprox. 55 gramas)
Canela em pó (1 colher de café rasa - 2 gramas)
Manteiga integral gelada (½ xícara - 115 gramas)
Água gelada (Quanto Baste)

Passe as farinhas pela peneira para remover grumos. Misture-as com o sal, açúcar e a canela. Pique a manteiga gelada em cubos sobre as farinhas. Trabalhe com a ponta dos dedos até formar uma farofinha amarela pedaçuda. Quanto maior forem os pedaços de manteiga no meio da farinha, mais crocante vai ficar sua massa. Por isso, nunca mexa demais nem use as palmas das mãos, que são quentes e derretem a manteiga.

Você também pode usar o pulsar em seu processador até atingir esse resultado. Nunca adicione a água no processador ou na batedeira, pois a massa é muito pesada para o motor. Retire a bola de farinha com manteiga e trabalhe a água com as mãos até a massa formar uma bola irregular, com pedacinhos visíveis de farinha e manteiga e não grudar nas mãos. Esse é o resultado que queremos.

Se você exagerou na água, sua massa vai virar uma pasta. Você corrige isso com mais farinha, mas a massa fica mais seca. Se, pelo contrário, a massa não junta, tem muitos flocos soltos, apenas molhe as mãos para ir agregando água bem de leve. A técnica é semelhante para fazer Massas Italianas Artesanais.



Certo, muitas receitas pedem para gelar a massa por 1 hora antes de usar. Geralmente, essas massas levam muita manteiga. Se você seguiu direitinho o que te falei, isso não será necessário. Para abrir sua massa, pegue um saquinho descartável e abra a massa com uso de um rolo ou garrafa. Deixe uma pontinha do saco cair além da pia e abrace-a com a barriga. Agora empurre com o rolo na direção oposta, expandindo a massa em círculo. Levante o plástico, desgrudando da massa. Se grudar demais, pulverize farinha de leve. Vire o saco e, do outro lado, desgrude o plástico também. Alise com as mãos e volte a abrir com o rolo até alcançar a espessura de 3mm. Massa podre sempre delicada e fina!

Deixe a massa gelar um pouco no freezer. Unte sua fôrma com manteiga e nela coloque a massa, ajeitando com os dedos. Se ainda estiver muito mole, volte a fôrma com a massa para o freezer. Ajeite com os dedos e use água se for muito perfeccionista. Água ajuda a selar buraquinhos, deixa a massa mais retinha. Aperte bem principalmente nos cantos da fôrma, fure com garfo e leve ao freezer para gelar bem. Com isso, evitamos que a massa retraia demais no forno.

Deixe o forno pré aquecido na maior temperatura possível. Retire a massa do freezer e faça o ‘blind bake’. Coloque uma folha de papel alumínio sobre ela e despeje um pacote de feijão ou grão de bico. Assim que entrar no forno, abaixe a temperatura para 180° Celsius e asse por não mais que 15 minutos. Retire a forma do forno e os feijões. Deixe esfriar sobre uma grelha.





Ingredientes do recheio
Não gosta de maçã? Faça um Crème Pâtissière! Você assa a base, coloca o creme e as frutas sobre ele

Maçã argentina (6 unidades)
Limão tahiti (2 unidades )
Açúcar refinado (3/4 xícara - 135g)
Canela em pó ( 1 colher de chá rasa)
Amêndoas moídas (1 xícara - 140g)
Essência de amêndoas (Quanto Baste)
Farinha de trigo (1 colher de sopa cheia)
Aveia em flocos (2 colheres de sopa cheias)

Numa tigela, coloque as raspas dos limões e o suco. Descasque e pique as maçãs. Rapidamente, envolva as maçãs com o limão para não empretejarem. Adicione o açúcar e a canela em pó. Coloque as amêndoas e a essência. Agora, a farinha e a aveia. Reserve. Tenho um aparelho super legal para facilitar o corte da maçã, um 'apple peeler', descasca, tira o coração e já fatia fininho, 3 em 1. Veja o video de como ele funciona



Ingredientes do streusel (ou crumble) (farofa) (cobertura crocante)

Amêndoas quebradas na faca (1 xícara - 140 gramas)
Açúcar refinado (1/3 xícara - 60 gramas)
Farinha integral (1/3 xícara - 40 gramas)
Manteiga integral (1/3 xícara - aprox. 75 gramas)
Canela em pó (1 colher de café rasa)

Misture os ingredientes, deixando pedaços de manteiga no meio do streusel. Quanto mais 'tosco' ficar seu streusel, mais crocante será seu resultado após sair do forno. Por isso, os confeiteiros evitam misturar demais streusel e massa podre. Essas categorias de massa NUNCA devem ficar homogêneas. Massa lisa é muito bonita, obrigado, mas não é crocante. E os americanos sabem disso muito antes de nós.




Montagem

Coloque o recheio de maçãs sobre a massa já pré assada. Alise com a colher e salpique o streusel de amêndoas. Retorne ao forno por mais 40 minutos. Nesta etapa, se o seu forno for muito quente, você pode cobrir as bordas de cima da massa com papel alumínio, evitando que dourem rápido demais. Outra técnica muito boa é ligar apenas a parte de cima do forno para dourar e depois, ligar apenas a parte de baixo para terminar de assar sem dourar. Deixe sua torta esfriar dentro do forno fechado e desligado. Salpique com açúcar de confeiteiro, se desejar. Consuma fria ou quente com este Sorvete de Canela em Pau.





terça-feira, 5 de junho de 2012

Mel de agave, herói ou vilão?



Pergunte por uma pessoa que não goste de açúcar! Somos todos fascinados. Mas e quanto aos efeitos nocivos dos refinados? Duvidosos, os adoçantes emagrecem enquanto repletos de químicos. O novo querido, mel de agave azul, será nossa salvação?

Logo de cara, já respondo que não. Se você quer saber o por quê, leia abaixo; caso contrário, se ia comprá-lo, pense 2 vezes! Na realidade, o verdadeiro agave vem do México, de um cacto espinhoso azulado, o mesmo do qual se faz a tequila. Sinto informá-los, mas, por fontes poderosas, o mel que aqui estamos consumindo é feito não das folhas, mas do extrato retirado de suas raízes. O inconveniente é que essa extração é feita com uma série de componentes químicos, dentre eles, o ácido hidroclorídrico.

Sim, querido(a) leitor(a), agave no Brasil, por enquanto, é mais um engodo da classe alta para ela mesma. Sim, pois são os importadores vendendo às elites da beleza. Pois saibam, nem nos EUA, em blogs naturalistas, encontrei referências positivas aos termos 'orgânico' e 'baixo índice glicêmico'. O agave, tal qual o Maple Syrup, é pura frutose que, segundo a OMA (Organização Mundial de Saúde), contribui para a formação de gorduras viscerais. Embora tenha índice glicêmico mais baixo, diabéticos devem usar com muita cautela. Você vai me perguntar, mas e o Stevia?

Para quem não conhecia, o Stevia é um adoçante natural extraído de um grupo de plantas com cerca de 240 espécies. No entanto, da mesma forma que o agave, necessita ser manipulado em laboratório com uso de quê? Químicos! O que sobra em nosso cartel, o mascavo, mel e a açúcar de palma, etc... Podem ser naturais, podem não ser refinados, mas, enfim, o índice glicêmico elevadíssimo os faz nem um pouco toleráveis a quem deseja ter vida saudável e, principalmente, fome controlada.

Em pleno século XXI, das ditaduras da beleza, dos corpos retos e perfeitos, eis a verdade: ainda não temos um adoçante natural e saboroso, que não seja repleto de químicos. Por enquanto, a melhor opção é plantar sua própria Stevia e moer as folhas secas no pilão, como faziam nossos antepassados que viviam de grãos. Odeio dizer isso, mas de volta à pesquisa, EMBRAPA!

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Como fazer óleo de coco





Nova febre das nutricionistas, o óleo de coco pode custar até R$ 60,00 um pote de 200ml. Pelo mesmo valor, você compra 30 cocos e fabrica seu próprio óleo sem aditivos nem conservantes. No video acima, a senhora bate o coco com bem pouca água até formar uma pastinha. Espreme com uso de uma malha de algodão para retirar os líquidos. Então, leva esse líquido para ferver até que o óleo separe da água e possa ser pego às colheradas.

Vou ensinar aqui não só como fazê-lo, mas também suas duas faces: como todo alimento, tem sim benefícios e, claro, se consumido em excesso, tem também seu lado ruim. Como podemos usar seu potencial a nosso favor, você confere agora!
O óleo de coco pode ser rico em ácido láurico e monolauril, substâncias que encontramos no leite materno, que podem aumentar a imunidade e até emagrecer. No entanto, essas mesmas substâncias também aumentam o triglicérides, uma vez que fazem parte das gorduras saturadas que compoem o fruto. E agora José?

Emagrece ou engorda?

Os benefícios do coco estão justamente em sua gordura. O ácido láurico e o monolauril, além de ajudarem a liberar toxinas do organismo, regulam o funcionamento da tireóide, com ação anti-inflamatória. São anti-vírais, melhorando a resposta imunológica. Também aumentam o HDL, nosso colesterol bom, melhorando o funcionamento do coração.

Vale lembrar, o coco deve ser consumido respeitando o limite diário de 50g, uma vez que, em excesso, aumenta o risco do triglicérides. Por essa razão, a melhor forma é consumí-lo na fruta, com a presença de fibras e líquido.

Não é preciso dizer, doces à base de coco, para ficarem cremosos, precisam de muito MUITO açúcar. Ou seja, evite! Água de coco é apenas refrescante, não traz tanto benefício quanto a fruta em si, nem emagrece. O coco verde também não é interessante, uma vez que os componentes saudáveis se concentram com o amadurecimento da fruta. Prefira o coco de casca seca ou os flocos desidratados para ter os verdadeiro benefício! Lembre-se, o óleo de coco é bom sim, mas sua polpa é ainda melhor.


Como usar na comida

Muito usado na culinária asiática, o óleo de coco pode ir em várias produções, de arroz a doces. Talvez seja o ponto de fumaça, que permite seu uso em frituras sem que ele desprenda tanto resíduo quanto o girassol ou a soja. Ou quem sabe o sabor amendoado, adocicado e defumado, apelo não só aos vegetarianos como também a muitos confeiteiros. Sua versão hidrogenada, o 'Copha', é muito usada na Austrália em biscoitos e nos cinemas para estourar pipoca. A versão light dos leites e óleos deve ser evitada, uma vez que os benefícios estão justamente na gordura.


Calorias

1 colher de sopa (10 g) de coco desidratado = 45 cal
1 colher de sopa (20 ml) de leite de coco = 50 cal
1 colher de sopa (10 g) de gordura de coco = 90 cal
1 copo (250 ml) de água de coco = 55 cal
1 colher de sopa (15 g) de doce de coco = 70 cal
1 cocada pequena (50 g) = 160 cal


Outros usos

O óleo de coco vai na base de creme faciais, lubrificantes de todo tipo (é isso mesmo que você pensou), na fabricação de sabão. Antes da invenção da luz, servia para acender lanternas na India. Hoje, nas Filipinas, serve também para abastecer automóveis. Ah, gente! É um óleo como outro qualquer, né? Só porque vai em motores, não quer dizer que não podemos consumí-lo.



Como fazer

Ingredientes
Coco de casca seca escura (10 unids.)
Água mineral gelada (2 a 3 litros)
Utensílios: Processador ou Liquidificador, Coador de malha fina, Pano perfex LIMTECH, panela


Técnica
Para fazermos este óleo, é importante que você tenha um liquidificador ou processador de maior capacidade e potência. Leve ao processador a polpa dos cocos secos e bata por 1 minuto. O que queremos nesta fase é que o motor do processador aqueça ligeiramente, fazendo com que o óleo entre as fibras do coco começe a separar da polpa. Agora, para afastar o óleo das fibras, vamos introduzir a água. A queda na temperatura, vai solidificar o óleo que estava distanciado das fibras e ele vai permanecer fora da fibra. Pegue um pano de algodão esterilizado ou do tipo perfex e coloque toda a mistura. Torça para liberar toda a parte líquida da mistura. Você terá 2 tipos de líquido, a água e o óleo de coco. A partir daqui, há 2 formas de proceder. Ou você leva esse líquido ao freezer e espera até congelar. Você consegue retirar o óleo, pois ele separa do líquido e congela. Outra forma é ferver o líquido e aguardar até que o óleo suba na panela. Aí, trabalho de formiguinha, retirar o óleo, colher a colher. Lembrando que esse método de fervura pode desnaturar as vitaminas do coco, tornando-o meramente uma gordura como outra. Qualquer que seja a opção escolhida, lembre-se de filtrar o óleo por 4 camadas de pano perfex, para que ele fiquei clarinho e sem resíduos. Guarde em pote esterilizado, em local escuro e fechado hermeticamente. Resfriado, ficará branco e duro como pomada.

Related Posts with Thumbnails

Canal Cozinha   © 2008. Template Recipes by Emporium Digital

TOP